Antes que Suma

Registrando para o futuro o presente das casas da Encruzilhada e do Hipódromo

Por Jota | 18 de outubro de 2017

Entre a Rua Marechal Deodoro e a Rua da Coragem, os bairros da Encruzilhada e Hipódromo reúnem hoje casas de um passado que caminha para, dentro de pouco tempo, existir apenas em fotos e imagens.

Percorrer ruas dos dois bairros é se deparar com construções de épocas diversas do século 20.

Há desde casas simples, de janela e porta e nada mais até mansões com quatro níveis de tetos, colunas, portas suntuosas, jardins imensos.

Algumas estão em perfeitas condições, com linhas originais. Outras sofreram agressões e adaptações.

Em determinadas ruas, há imóveis “protegidos” por muros altos e “barricadas” de arame e cerca elétrica.

Conversando informalmente com proprietários de algumas casas é possível constatar que a crise econômica que assola o país inibiu os negócios na construção civil e, consequentemente, acabou assegurando sobrevida a exemplares valorosos de casas.

Há casos em que três ou quatro casas vizinhas já estavam começando a ser negociadas com construtoras, mas permanecem de pé porque as conversas foram adiadas.

Quer dizer, este post pode ser um registro histórico dos imóveis que resistem nos dois bairros.

Encruzilhada e Hipódromo, que tanto já perderam de patrimônio, identidade e memória, permanecem sob risco de ver desaparecer suas casas lindas, seus jardins, quintais, horizontes e histórias.

Passamos pelas ruas Marechal Deodoro, Vicente Pizón, Fonseca Oliveira, Martins Ribeiro, Monte Alverne, Coragem, Retiro Saudoso, Carlos Fernando, Dona Julieta e Professor Miranda Curió.

Leia mais AQUI sobre a Encruzilhada. AQUI, sobre o Hipódromo. Abaixo, relembre o que o site já publicou sobre a Encruzilhada e arredores:

Rua que homenageia Vauthier, o engenheiro do Teatro Santa Isabel, reúne belezas

Prédios residenciais do passado resistem na Encruzilhada e no Hipódromo

Mesmo desfigurada, Estrada de Belém ainda reúne encantos

Sacudindo a poeira e a corrosão do tempo na Rua Vicente Pinzón

Agredida e descaracterizada, Rua Larga do Feitosa perde poesia

Casas garantem beleza e “humanidade” à Rua Cristóvão Jacques