Antes que Suma

Discretos, “escondidos”, mas cheios de personalidade na Rua das Pernambucanas

Por Jota | 15 de abril de 2017

Mais dois pequenos prédios residenciais cruzam anos, driblam os interesses demolidores do mercado e permanecem firmes e fortes desafiando o tempo.

Ambos ficam nas Graças, na mesma Rua das Pernambucanas. Separados por metros, representam a resistência de um modo de morar mais conectados com a rua, com o bairro, com a cidade.

O verde se situa do lado direito, logo no início da rua. Conta com térreo e mais dois pavimentos. Tem aspecto de casa, com sacadas, jardim e  entradas laterais. E, mesmo sem elementos estéticos relevantes, tem beleza discreta.

O segundo fica no lado oposto, já no último quarteirão, pertinho do Capibaribe. Tem térreo e primeiro andar. São blocos cercados de verde, varandas voltadas pra rua, muro e grades baixas. Também “imprimem” um ar de casa às moradias.

São lindos, têm personalidade e destoam do verticalizado bairro das Graças. Entram pra a série dos bravos “Aquarius” que resistem aos cupins do Recife – série inspirada no filme homônimo dirigido por Kléber Mendonça Filho.

Leia mais sobre construções do gênero na série do Antes que suma:

Aquarius estreia e estimula debate sobre preservação e memória afetiva

Pequenos edifícios resistem e contam a história de se “morar em prédio” no Recife

Pequenos residenciais firmes e fortes no Espinheiro, Graças e Encruzilhada 

Oceania: o lindo prédio do filme Aquarius é símbolo de resistência na Zona Sul 

“Prédia” permanece de pé, um ano após ter sido esvaziado

Prédio de “casas sobrepostas” é síntese de beleza na Quarenta e oito