Antes que Suma

Casarões preciosos abrigam Conservatório Pernambucano de Música

Por Jota | 5 de março de 2017

Aos 87 anos, o Conservatório Pernambucano de Música, na Avenida João de Barros, em Santo Amaro (área central do Recife) tem arte não só nas suas salas de aula e auditórios.

Os dois casarões que abrigam as instalações principais da mais concorrida escola de música do estado são exemplares valorosos da arquitetura recifense.

Um tem estilo neoclássico e traz, na fachada, esculturas que roubam olhares e contribuem para imprimir um clima de “arte em toda parte”.

O segundo, bem mais recente, apresenta, aparentemente, linhas puristas e lembra, em maior proporção, as casas assinadas por Georges Munier, na esquina da Rua Bispo Cardoso Ayres com Avenida Visconde de Suassuna, no mesmo bairro de Santo Amaro.

Ambos os imóveis estão bem conservados e funcionais.

Segundo informações do site do Governo do Estado, o conservatório foi criado em julho de 1930, por meio de projeto apresentado na Assembleia Legislativa pelo então deputado Arruda Falcão.

A instituição, de acordo com o site, tem como missão principal planejar, gerir e executar políticas públicas e respectivas atividades de ensino, pesquisa, promoção e difusão da Música do Estado de Pernambuco.

Também tem como objetivo a valorização da cultura, excelência na formação de profissionais e ser agente para o desenvolvimento social através da arte musical.

Lamentavelmente, nem o site do governo nem o site do conservatório faz referência a história e origem dos casarões.

Mais informações sobre a instituição AQUI (site oficial).