Antes que Suma

A linda casa branca da Visconde de Suassuna

Por Jota | 23 de setembro de 2018

Na esquina da Avenida Visconde de Suassuna com a Rua do Sossego, região onde Santo Amaro e Boa Vista desconhecem limites, ela está lá. Intacta.

Sempre bem cuidada, pintada  caprichosamente de branco, tem térreo e primeiro andar, muro baixo e é cercada por terreno amplo onde jardim e quintal se confundem.

As linhas arquitetônicas são simples, mas o conjunto agrada. Terraço e garagem, janelões e portas, colunas e teto “convencionais” compõem um “cenário” que é apreciado por quem passa.

As árvores, com destaque para o pé de buganvília, contribuem de modo fundamental para o embelezamento.

A casa, muito provavelmente erguida em meados do século XX, destoa das demais na região. Não só pelo estilo, mas por ainda ser utilizada como residência e estar perfeitamente preservada.

A manutenção do muro original, certamente é um ato de resistência dos moradores numa cidade em que a falta de segurança obriga a quem ainda vive em casa a erguer fortalezas com paredes imensas, grades e cercas elétricas.

Pois bem. A despeito dos riscos, o muro continua baixo, o que possibilita que o casarão seja contemplado em todos os detalhes e belezas.

Há mais de um ano, quando eu fotografava o jardim, o proprietário apareceu. Queixou-se da “invasão” da lente do meu celular, da violência, da omissão do poder público que não garante direitos básicos aos cidadãos que pagam IPTU, das dificuldades de manter a casa, dos “vagabundos” que pulam o muro e tiram o seu sossego.

Reclamou, reclamou e não deu ouvidos aos elogios que fiz à casa e ao seu empenho em preservá-la.
Compreendi perfeitamente a irritação, disse que ele tinha razão e informei-lhe que tinha uma site destinado a registrar imóveis antigos que resistem à ganância do mercado e ao descaso do poder público.

Respondeu-me que nesses tempos de internet não tinha como impedir que a casa fosse fotografada. Entrou na casa ainda com ar de poucos amigos e eu deixei para voltar a fotografar a beleza em outra ocasião. Agora, está aqui.

Relembre posts que tratam de construções de Santo Amaro e Boa Vista:

Prédios “irmãos” são marca registrada da Bispo Cardoso Ayres

Trecho da Bispo Cardoso Ayres reúne casas que merecem ser preservadas e apreciadas 

Pequenos edifícios resistem e contam a história de se “morar em prédio” no Recife

Abandono rouba beleza de casa que documenta como se morava no século XX

Painel com elementos geométricos de concreto é esquecido na Boa Vista 

Casarões preciosos abrigam Conservatório Pernambucano de Música