Antes que Suma

Recanto de resistência e preservação na Zona Norte do Recife

Por Jota | 14 de outubro de 2016
Poço da Panela, na Zona Norte (e nobre) do Recife é Zona Especial de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural (ZEPH).
Está livre de arranha-céus, mas não deixa de ser alvo de construtoras. E, cotidianamente, vai perdendo suas características.
O bairro, resultante de um povoado surgido em 1772 em torno da igreja de Nossa Senhora da Saúde, guarda, ainda assim, muitas belezas.
E embora seja vítima de descaso do poder público e da ganância que mata a memória a queima-roupa, ainda preserva alguns resquícios do “ar rural” que podia ser respirado até o início da década de 1970.
Já fizemos algumas publicações sobre a realidade do Poço da Panela. Reveja AQUIAQUI E AQUI também.
Ao se percorrer suas ruas o visitante se depara com palacetes coloniais deslumbrantes.
Alguns sítios contam com conjuntos bem preservados e que dialogam com a rua, outros são formados por casas de portões e muros altos e sem contato com as cercanias.
Grande parte dos casarões antigos é ocupada por moradias. Alguns, todavia estão vazios.
Nas ruas Marquês de Tamandaré, Luiz Guimarães, Antônio Vitrúvio e Estrada Real do Poço estão alguns exemplares mais significativos do bairro.
Há mansões azulejadas, construções neoclássicas e edificações ecléticas. Enfim, casas que merecem ser apreciadas.