Antes que Suma

Na Rui Barbosa, o palacete mais lindo, querido e instigante do Recife

Por Jota | 31 de dezembro de 2016

Palacete mais suntuoso da Avenida Rui Barbosa, nas Graças, a Mansão Gibson impressiona quem passa a pé, de carro, de bike, de perto ou de longe.

É o que que mais desperta curiosidade entre os belos casarões da avenida. Tem beleza óbvia, mas também história e povoa a memória do povo que nasce e/ou reside no Recife.

Aqui no Antes que suma é dono absoluto de recorde do tempo em que o projeto existia apenas no Facebook. Um post que tratou da mansão resultou em 123,7 mil pessoas alcançadas, 2,3 mil curtidas, 1,1 mil compartilhamentos, 232 comentários.

O post foi sugerido pela leitora Ana Evangelina, autora da foto principal. As demais imagens são da página do historiador Leonardo Dantas Silva.

Silva descreve o casarão como “mansão neo manuelina construída em Ponte D’Uchoa em 1837, que pertenceu ao industrial Manuel Baptista da Silva e depois pelo seu filho Jorge Amorim Baptista da Silva (1923-2015)”.

O casarão Foi construído pelo imigrante inglês Henry Gibson. No livro Assombrações do Recife Velho, Gilberto Freyre faz citações sobre a história do imóvel.

O site familia gibson detalha a história da construção que passou pelo império e cruzou as diversas “repúblicas”, ditaduras e golpes.

A preciosidade encravada num terreno imenso, à beira do Capibaribe e cercado de um jardim repleto de árvores e esculturas, segue preservada e habitada e se mantém inacessível a curiosos.

Só pode ser observada a partir da calçada, através das grades da Fundição C. Star & Cia., que funcionou entre 1829 e 1875 na Rua da Aurora, segundo informa Leonardo Dantas Silva.

Este post resgata para o site uma história de sucesso do AQS no Face, joga luz sobre aquele que talvez seja o casarão que mais impressiona e instiga os recifenses e pretende estimular os leitores a desvendar, em 2017, as belezas da cidade distante de carros, caminhando.

Felizes Ano Novo, novas descobertas, surpresas e emoções!