Antes que Suma

Descuidado, casarão onde viveu José Estelita se deteriora na João de Barros

Por Jota | 14 de dezembro de 2016
Esse casarão pertenceu ao engenheiro José Estelita, o homem que dá nome ao cais que virou símbolo de resistência contra a falta de planejamento urbano e em favor do uso racional dos espaços públicos no Recife.
O engenheiro faleceu em 1951. O imóvel, que esteve ocupado por herdeiros de Estelita até 2012, fica na Avenida João de Barros, na Boa Vista, área central do Recife.
A construção, que mesmo degradada impressiona pela beleza, é do século XIX e tem características do ecletismo que marcou a arquitetura nacional naquela época.
Ao longo do ano de 2015, o Antes que Suma fez, no Facebook, três publicações mostrando o abandono e a degradação do casarão.
No primeiro post, publicado em maio, o leitor André Pina, destacou em comentário, que além de José Estelita, o arquiteto Lucio Estelita, filho do engenheiro, nasceu, viveu e faleceu no casarão.
E informou que ainda que Lucio foi um dos mais importantes arquitetos pernambucanos, autor de diversas obras que hoje passam desapercebidas, algumas feitas em parceria com Delfim Amorim.
O segundo post, de novembro daquele ano, revelou que a casa teve portas e janelas do piso térreo retiradas e cobertas por tijolos – uma medida geralmente tomada quando imóveis abandonados são atacados e invadidos.
Já em dezembro de 2015, a transformação do terreno que cerca o casarão em depósito de lixo motivou a terceira publicação.
Bom, mais ano está terminando e a construção completa quatro anos em processo de deterioração. Nos últimos meses tem se observado a presença de pessoas – e de um cachorro – tomando conta do imóvel.
O mato e o lixo foram retirados, mas não há sinal de restauração da casa.
Leia mais sobre casarão AQUI (texto do Diario de Pernambuco documentado pela UFPE); sobre quem foi José Estelita, AQUI e ainda sobre a luta em defesa do Cais, AQUI.