Antes que Suma

Há cerca de dois anos mercado e poder público destruíam casa-memória de Borsoi

Por Jota | 14 de março de 2017

Essa casa incrível projetada por Acácio Gil Borsoi foi derrubada há cerca de dois anos, deixando a memória e a identidade do Recife mais pobres.

A construção era uma residência e ficava na Rua de Santana, em Casa Forte/Santana, Zona Norte do Recife. A demolição se deu porque o terreno foi comprado por uma construtora, que, naturalmente, ergueu um espigão no lugar.

Desta vez aquela ideia de aproveitar a casa “como salão de festa do condomínio” não foi cogitada.

As fotos são de junho de 2015 e mostram a casa já sem telhados e janelas. A parede azulejada que dava para a imensa área verde que circunda o imóvel ainda estava em pé.

Embora tenha sido incluída na lista de construções com credenciais para se transformar em Imóvel Especial de Preservação (IEP) a casa modernista não escapou.

A análise chegou a ser iniciada pela Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural (DPPC) da capital, mas a construtora foi mais eficiente no seu propósito e destruiu parte da história de Borsoi e do Recife.

Antes mesmo de o processo de avaliação ser concluído, a 3ª Gerência Regional (Casa Amarela) da Secretaria-Executiva de Controle Urbano do Recife, concedeu a licença de demolição.

Não apareceu, na secretaria, um único arquiteto ou engenheiro com discernimento para barrar a liberação.

Na publicação que o Antes que suma fez na época (ainda no Facebook), afirmou-se a esperança de salvaguardar a casa recaía agora sobre a Promotoria de Patrimônio Público do Ministério Público.

“Quem sabe, uma ação judicial não barraria a demolição (a casa ainda está de pé)”, foi parte do texto escrito em junho de 2015. Como se sabe, nada foi feito e a construção foi demolida.

A derrubada da casa constituiu-se num descaso com a memória do professor, arquiteto e urbanista carioca Acácio Gil Borsoi, nome que se tornou referência da arquitetura moderna brasileira, a partir do seu trabalho desenvolvido em Pernambuco nos anos 1950.

Borsoi, cujo estilo virou uma escola reconhecida no mundo inteiro, teve ainda sua carreira entrelaçada com a história do primeiro (e mais simbólico) governo de Miguel Arraes, ao assumir,. em 1963, a direção de departamento da Liga Social contra o Mocambo.

Saiba mais sobre a vida e a obra de Borsoi AQUI, AQUI e AQUI

Colaboração de Ludmila Portela