Antes que Suma

O belo conjunto que abriga a Escolinha de Arte do Recife

Por Jota | 5 de novembro de 2017

Embora comece a perder identidade e a viver problemas decorrentes da chegada de arranha-céus, a Rua do Cupim, no bairro das Graças, guarda uma poeira boa de passado.

E o pequeno “sítio” que abriga a Escolinha de Arte do Recife é, certamente, onde estes grãos flutuam e melhor espalham a memória de tempos que já foram.

O empreendimento fundado em 1953 está instalado em duas casas seculares erguidas num terreno amplo “adornado” de verde e protegido por muro de colunas baixas.

Observado da rua, o conjunto ganha ainda mais beleza pelo contraste dos desenhos de troncos e folhas com as cores vivas que revestem portas, janelas, paredes e grades.

Pela arquitetura e disposição das construções se conclui que trata-se de exemplares que atravessaram todo o século XX.

Há características de pequenos chalés que serviam de moradias de gente com alguma posse no fim do século XIX e começo do século passado. Um estilo que garantia ares rurais às propriedades situadas em bairros já urbanizados.

Segundo o site Produzindo arte, a Escolinha promove uma arte/educação qualitativa, visando a formação estética e artística das pessoas.

Também oferece atividades como pintura, desenho, modelagem em argila, contação de histórias, visitas a exposições, dança, teatro e aulas de yoga para crianças.

Além de formar e transformar gerações pernambucanas por meio da arte, a Escolinha é símbolo de resistência de um tipo de moradia que marcou a história do Recife.

Um modelo que valorizava a união de estética e natureza e que, mesmo bem mais modesto que os palacetes dos barões endinheirados, não economizava em beleza e conforto.

Se você ainda não passou pela Rua do Cupim (entre as Ruas Confederação do Equador e Amélia), trate de chegar por lá. E não deixe de se encantar com a poeira boa que envolve a Escolinha de Arte do Recife (nº 124).

Saiba mais sobre a escolinha AQUI (Facebook) e sobre o bairro das Graças, AQUI (Fundação Joaquim Nabuco).