Antes que Suma

Prédio de “casas sobrepostas” é síntese de beleza na Quarenta e oito

Por Jota | 8 de novembro de 2016

Mais um exemplar que sobrevive à ganância das construtoras por arranha-céus, muros e grades imensos e conexão nenhuma com a rua e com a cidade.

O edifício de térreo e dois andares, localizado na Rua Quarenta e oito, no Espinheiro, é quase um “elemento de outro planeta” em meio a tantas fortalezas gigantes chamadas de condomínios.

Chama-se Salathiel e tem muro baixo, grandes varandas e jardim. Um pé de buganvília forma um “túnel” incrível na entrada principal.

As linhas arquitetônicas remetem a “casas de bairro” dos anos 50 do século passado. Ou seja, o prédio ser formando por casas sobrepostas.

Os traços são simples, mas há beleza nessa simplicidade.  O conjunto – prédio mais árvores e plantas – forma um “nicho” muito particular. O Salathiel dialoga com a rua e ainda oferece beleza a quem passa.

Claro que ao se enfocar um edifício de pequeno porte numa região tomada por torres nos remete imediatamente ao filme Aquarius, de Kléber Mendonça Filho.

Ambientado no Oceania, um prédio dos anos 50 localizado na Avenida Boa Viagem, no Pina, o filme trata justamente da preservação arquitetônica como meio de resistência e sobrevida de costumes e memória.

Quando passar pela Quarenta e oito repare bem o Salathiel. Fica exatamente ao lado do badalado restaurante chinês que leva o nome da rua.