Antes que Suma

Sacudindo a poeira e a corrosão do tempo na Rua Vicente Pinzón

Por Jota | 12 de fevereiro de 2017

Uma esquina e uma rua guardam, em paredes sujas e descascadas, na Encruzilhada, um tempo em os bairros do Recife eram território de beleza.

Moradias e pontos comerciais “disputavam” no capricho das fachadas. Construções imponentes ou mesmo uma simples casa tinham a beleza como alvo.

Uma percorrida na Rua Vicente Pinzón (no trecho entre a Estrada de Belém e a Rua Marechal Deodoro, Zona Norte do Recife) nos passa a impressão de que o tempo parou.

O conjunto de casas que ainda sobrevive num pequeno trecho nos oferece uma amostra do quanto o zelo pela estética era tão comum no passado.

São cinco imóveis. Três estão vazios e bem degradados. Dos dois ocupados, um se encontra bem preservado e o outro foi alvo de transformações – uma “garagem” e um puxadinho na parte de cima alteraram a fachada.

Caminhando em direção à Estrada de  Belém, principal via da Encruzilhada, chega-se a um casarão imenso, que, certamente, abrigou armazéns ao mesmo tempo em que serviu de moradia.

O imóvel toma toda a esquina e abriga empreendimentos de conserto de motos e eletrodomésticos. Grande trecho da parte que é voltada pra Estrada de Belém ganha aspecto de casa – em estilo art nouveau – e, segundo comerciantes locais, está disponibilzado para aluguel.

Há quem diga que se trata de dois imóveis geminados. Outros afirmam que os proprietários originais mantinham os negócios na esquina e residiam no segmento mais sofisticado.

Hoje, tudo é decadente e carente de reformas. Este trecho da Vicente Pinzón – homenagem ao navegador espanhol co-descobridor das Américas – nunca teve calçamento, embora moradores informem que, para a Prefeitura do Recife, a via é tida como calçada.

O pequeno conjunto, entre a esquina e mais cerca de cem metros da rua, é um “nicho” que mostra como se morava e se negociava no começo do século XX e, por isso mesmo, merece ser tombado.

Veja outros posts do Antes que suma sobre o bairro da Encruzilhada:

Mesmo desfigurada, Estrada de Belém ainda reúne encantos

 

AQUI, em link da Fundação Joaquim Nabuco, informações sobre o bairro da Encruzilhada