Antes que Suma

Troca de postes fere história e identidade do Parque 13 de Maio

Por Jota | 6 de novembro de 2018

Prestes a completar 80 anos de fundação, o Parque 13 de Maio, mais importante espaço público de lazer do centro do Recife, perde parte da sua identidade.

Por obra e graça da Prefeitura da cidade, os tradicionais postes de ferro fundido pintados de azul estão sendo descartados e retirados do local.

“Representantes” de um tempo em que o ferro marcou época na arquitetura de prédios e espaços públicos do Recife, os postes emprestavam ao parque, inaugurado em 1939, um charmoso ar de passado.

Extremamente resistentes e perfeitamente recuperáveis – haja vista as estruturas de ferro renovadas no Mercado de São José, na Faculdade de Direito e no Museu do Trem -, os postes de ferro foram substituídos por um fino cano de metal comprido, sem cor, sem design, tendo no topo uma diminuta luminária em forma de disco (veja fotos na galeria).

Na tarde desta terça-feira (06.11.18), os poucos elementos de ligação do Parque com o passado, viraram entulho.

No site da Prefeitura do Recife não há informação recente sobre a troca dos postes e iluminação do 13 de Maio. A última matéria a tratar do assunto é de 26 de janeiro deste ano de 2018.

As informações apontam, genericamente, para “mais segurança e conforto” dos usuários do Parque e anunciam novos serviços que, segundo o texto, irão “requalificar toda a iluminação da área com luminárias em LED”.

O texto destaca que as obras começariam em janeiro mesmo – o que dá a entender que a substituição foi iniciada lá e encerrada agora com a retirada dos postes de ferro.

Bom, a matéria está reproduzida abaixo. Nela não existe explicação alguma sobre a troca dos postes.

Não se sabe se os azuis estavam pondo em risco os usuários, se tinham alto custo de manutenção ou se feriam algum novo projeto paisagístico a ser executado no Parque.

Mas, ainda que representassem alguma “dificuldade” para a Prefeitura, nada justificaria a retirada das estruturas de ferro.

Afinal, diversas cidades do mundo esforçam-se para manter antigos elementos decorativos, urbanísticos e arquitetônicos de suas praças e parques. E conseguem.

A modernização de serviços acontece sem agredir ou “matar” o passado.  Quer dizer, quando se tem interesse em preservar a memória, o atendimento às novas demandas é ajustado a este fim.

No Recife, incrivelmente, o próprio poder público se encarrega de “exterminar” a história da cidade. Neste caso, o Parque que caminha para completar oito décadas ganhou como presente desrespeito à sua história e à sua identidade.

Veja o que diz o texto da Prefeitura:

Prefeitura do Recife vai requalificar iluminação do Parque 13 de Maio com LED

Um dos espaços públicos mais utilizados no centro do Recife para quem procura lazer, praticar esportes ou apenas contemplar a paisagem composta por árvores e animais do minizoo, o Parque 13 de Maio será beneficiado pela Prefeitura do Recife com uma intervenção para requalificar toda a iluminação da área com luminárias em LED, trazendo mais conforto e segurança para seus usuários. Os serviços serão executados pela Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana e terão início neste mês. O investimento na obra será de R$ 866.460,95.

O equipamento receberá a iluminação em LED em seus 131 postes, que também serão substituídos por novos. Além disso, serão instaladas 16 luminárias na escadaria do monumento, 36 uplight em diversas árvores, 15 refletores nas palmeiras que compõem o canteiro central, e contará ainda com um novo circuito com quadro de proteção. Para a execução da obras serão utilizados 12.300 metros de cabos.

Parque 13 de Maio – O parque, inaugurado em 30 de agosto de 1939, está inserido em uma área de aproximadamente sete hectares no bairro de Santo Amaro, zona central do Recife. Possui parques infantis com playgrounds compostos por brinquedos variados e com acessibilidade (gangorras, escorregos, balanços, entre outros), pista de cooper, equipamentos de ginástica, uma Academia da Cidade, fonte, laguinhos, esculturas e bustos de pernambucanos ilustres e um minizoo que contém diversos animais: 13 araras, 13 macacos-prego, duas siriemas, uma maria anita (espécie de pequeno papagaio), um pavão, além de patos, tartarugas e peixes.

 

Relembre post que trata de descaracterização e desrespeito à história da cidade pelo poder público:

Em outros locais, história dá lucro ao turismo. No Recife, se cobre com cimento

OBS: a sugestão de pauta e as fotos são do leitor George Modesto.