Antes que Suma

Aparentemente autorizado, vandalismo do casarão da Dr. José Maria já atingiu o teto

Por Jota | 6 de janeiro de 2019

O vandalismo que vem destruindo casarão neocolonial na Rua Dr José Maria é bem mais mais agressivo e cruel do que supomos ao receber fotos e sugestão de pauta de leitor.

Novos alertas indicaram que os estragos iam além da retirada de tapumes e derrubada de parte do muro e da grade do imóvel localizado na esquina com Rua Gomes de Matos Júnior, na interseção entre os bairros dos Aflitos e Encruzilhada.

Uma ida ao local revelou que a situação é, aparentemente, de depredação autorizada. A casa vem sendo demolida aos poucos, resultado, muito provavelmente, do interesse dos proprietários em tornar o imóvel, até então em perfeito estado e bem conservado, numa ruína cuja demolição oficial seja inevitável.

Em outras palavras, o suposto abandono pode garantir o surgimento de um terreno amplo e muito bem localizado prontinho para ser ofertado ao mercado.

Aliás, este tipo de acontecimento tem sido verificado com frequência no Recife. Construções antigas e outras nem tanto, têm sido, ao que parece, intencionalmente, esvaziadas e abandonadas.

E, suma: a estratégica driblaria um possível tombamento ou simplesmente justificaria a inviabilidade da ocupação/preservação, facilitando a venda a construtoras ávidas por terrenos onde caibam arranha-céu

Os ataques à casa da Dr José Maria estão sendo feitos à luz do dia e já chegaram até o teto. Grande parte já foi ao chão.

Observa-se também que janelas e portas foram arrancadas. O cenário é de descaso programado, com metralhas e cacos de vidros “oferecidos” como prova do vandalismo.

Segundo moradores das redondezas, pessoas estão entrando no casarão e destruindo o que pode.

No momento em que estávamos fazendo as fotos deste post apareceu um homem que tinha pulado o muro minutos antes para avisar que era proibido fotografar a casa.

Quer dizer, o desmanche tem guardião, o que pode reforçar indícios da premeditação do que está ocorrendo.

A construção, que já foi moradia e abrigou órgão governamental, tem características arquitetônicas que se sobressaíram entre o fim do século 19 e a terceira década do século 20. Portanto, muito provavelmente, a construção deve estar beirando os 100 anos.

É lamentável que nem mesmo a possibilidade de usar o casarão como salão de festas para um eventual condomínio vertical parece ter sido cogitada.

Muitos imóveis  com igual valor histórico e arquitetônico foram salvos ao serem apresentados como atrativo para os espigões-moradias no Recife.

Reveja o que o Antes que suma trouxe sobre os ataques iniciais ao casarão:

Casarão neocolonialista da Dr. José Maria é alvo de vandalismo

No link abaixo, é possível relembrar o que foi escrito sobre o imóvel em outubro de 2017 e rever fotos que mostram o imóvel cercado de tapumes e bem preservado.

Nos Aflitos: o que será do lindo casarão da Rua Dr. José Maria?

Reveja posts sobre imóveis neocolonialistas:

Casarão neocolonialista da Rádio Patrulha abrigou faculdade da UFPE

Casarão transformado em salão de festa é festa pra quem passa na Rui Barbosa

Sobrado neolocolonial intacto e lindo na Rui Barbosa

Releia publicações sobre a triste sina das casas modernistas da Rosa e Silva:

Casas modernistas da Rosa e Silva têm projeto de restauração

Protesto contra destruição das casas modernistas da Rosa e Silva

Casas modernistas da Rosa e Silva estão abandonadas e depredadas

Casas modernistas da Rosa e Silva: descaracterizadas e vazias 

Reforma em casa modernista é embargada na Rosa e Silva

EMBARGO DE CASA MODERNISTA PROSSEGUE E TAPUME DESAPARECE

PREFEITURA EMBARGOU
CASA MODERNISTA DA ROSA E SILVA TEM JARDIM ESCAVADO, MURO E GRADES DERRUBADOS E ATÉ “OBRA” NO TÉRREO

NAS GRAÇAS
TRANSFORMADA NA FACHADA E INTERNAMENTE, CASA MODERNISTA DA ROSA E SILVA É SÍMBOLO DE DESRESPEITO À LEI