Antes que Suma

“Castelinho”, com torre e tudo, resiste na Praça Chora Menino

Por Jota | 4 de fevereiro de 2018

Num canto da Chora Menino, onde arranha-céus começam a devorar o horizonte, uma construção que parece saída dos contos de fada, enfeitiça.

Com com torre, sacadas e ângulos muito peculiares, tem ares de castelo. Para quem aprecia beleza e inventividade em arquitetura, a casa é deleite para os olhos.

Por décadas foi moradia e há anos abriga um restaurante (Café Supremo) que lhe garantiu sobrevida, funcionalidade e preservação das linhas.

No térreo, um terraço coberto foi “acrescentado” à construção por conta das necessidades do empreendimento, mas internamente tudo está mantido.

Pisos hidráulicos com composições incríveis, tacos com desenhos geométricos geniais, escada de acesso ao primeiro andar, adornos do teto, tudo está em bom estado e pode fazer um simples almoço uma aventura de descobertas de belezas.

Olhando de fora, o primeiro andar  é beleza só. A torre pontiaguda e arredondada domina a cena, mas as diversas águas do teto – com clara inspiração em construções europeias – são muito fotogênicas. Árvores do entorno ajudam a compor o “ambiente”, mas a fiação caótica atrapalha a apreciação.

O imóvel é do início do século XX e, mesmo com mais cem anos, resiste bem. Não precisa dizer que isso acontece por conta da ocupação e da funcionalidade.

Sem gente dentro e sem utilidade, estaria fadado à ação destruidora do tempo, do esquecimento, do abandono.

Relembre aqui outras posts do Antes que suma sobre a Praça Chora Menino, Paissandu e arredores:

Recuperada, reocupada e enfeitando os arredores da Chora Menino

A lendária casa (abandonada) dos lendários “irmãos eventos”

Crônica de uma demolição anunciada: a casa da Rua das Fronteiras se foi

Exemplar valioso da arquitetura influenciada pelo traço sinuoso de Niemeyer

Mais uma casa sob risco de desaparecer por conta do “progresso” do polo médico

O QUE RESTA DE CASAS NA CHORA MENINO