Antes que Suma

Areia: casario preservado, cachaça e friozinho no Brejo paraibano

Por Jota | 30 de junho de 2019

Areia, localizada no Brejo paraibano, a 129 quilômetros de João Pessoa e a 50 quilômetros de Campina Grande, é destino perfeito para quem aprecia história, arquitetura secular preservada, verde e um friozinho bom.

O Antes que suma pede licença para focalizar este município paraibano que, embora pouco badalado, tem atrativos bem peculiares. Como as férias de julho chegaram, “fica a dica”.

Para aqueles que se impressionam com construções antigas, a cidade é um achado.  Com patrimônio tombado em 2006 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Areia reúne um imenso acervo de imóveis que remontam ao Brasil imperial.

Casas, lojas, igrejas, colégios, teatro, museus e prédios públicos são testemunhas da passagem dos séculos. E, para o nosso encanto, as edificações estão ocupadas, vivas e pintadas em cores chamativas.

Detalhes, adornos, portas e janelas são invariavelmente salientados por meio de contrastes cromáticos.  A cada rua, praça e beco e visitado, as surpresas acontecem.

Mas, para além do casario bem mantido, Areia tem história e tradições culturais fortes. O município sedia a primeira instituição de nível superior da Paraíba: a Escola de Agronomia do Nordeste, fundada em 1936.

Areia é também a a terra do pintor Pedro Américo, do escritor José Américo de Almeida e do Padre Azevedo, inventor da máquina de escrever.

De acordo com o site Paraíba criativa, a cidade é muito conhecida por suas riquezas culturais, particularmente o Museu de Pedro Américo, com inúmeras réplicas dos quadros do mais célebre cidadão areiense, entre elas a famosa obra “O Grito do Ipiranga”, encomendada a ele por Dom Pedro II.

“O Museu da Rapadura, localizado dentro do Campus da UFPB na cidade, onde o turista pode observar as várias etapas da fabricação dessa iguaria, e dos outros derivados da cana-de-açúcar, como a cachaça, sendo a areiense muito conhecida exteriormente por seu incomparável sabor”, destaca.

Ainda segundo o site, Areia foi considerada por muito tempo como “Terra da Cultura”. O seu “Theatro Minerva” é o primeiro teatro no estado da Paraíba, tendo sido erguido em meados do século XIX por nobres e famílias abastadas.

Localizada no topo da serra da Borborema, a 600 metros de altitude, Areia possui quase 30 mil habitantes e apresenta um clima agradável o ano inteiro.

No inverno, segundo o site, as temperaturas baixam consideravelmente, atingindo os 12 ºC, patamar considerado bem baixo para os padrões tropicais e nordestinos.

A vegetação, por sua vez, é a característica de brejos de altitude, reunindo tanto aspectos dta Mata Atlântica quanto da caatinga.

A economia do município é baseada na fabricação de aguardente, mel e rapadura. Curiosamente, alguns dos antigos engenhos de açúcar se modernizaram, passaram a produzir cachaça e hoje compõem uma rota turística que engloba passado (casas-grandes, senzalas, capelas, fornos e maquinaria) e presente (as fábricas de pinga) pela zona rural. Destaque para os engenhos Triunfo e Vaca Brava.

De acordo com informações do site da Prefeitura Municipal, no processo de povoamento do interior da Paraíba, Areia se originou de um ponto estratégico de parada e abrigo aos tropeiros que vinham do sertão em direção ao litoral para a comercialização dos seus produtos.

“A partir do final do século XVII e início do século XVIII, surgiu o povoado inicialmente denominado Sertão do Bruxaxá (“terra onde canta a cigarra”). Bruxaxás eram os índios que primitivamente habitavam a região.

“Por essa época, no local onde hoje se ergue a cidade, um português construiu um albergue à margem do cruzamento de estradas muito frequentadas pelos que, procedentes do alto sertão paraibano ou de Pernambuco, seguiam para Mamanguape ou a Paraíba”, destaca.

Curiosidades: Foi a segunda cidade do Brasil a decretar a abolição da escravatura, antes mesmo de a lei ser assinada pela Princesa Isabel; foi a primeira cidade da Paraíba a usar o jornal impresso; possui 117 engenhos; tem o primeiro Teatro da Paraíba – Teatro Minerva (anteriormente chamado de Recreio Dramático); a Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Areia, é a paróquia mais antiga da Diocese de Guarabira criada em 29 de Junho de 1813.

Para saber mais, inclusive com dicas de como chegar, passeios pelos engenhos, restaurantes e hospedagem (a rede hoteleira é bem estruturada com opções diversas), clique nos links:

http://viajantemaduro.com.br/um-nordeste-muito-alem-do-litoral-descubra-o-brejo-paraibano/

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/turismo/2017/07/07/interna_turismo,607321/areia-na-paraiba-faz-frio-em-junho.shtml

https://oreversodomundo.com/2018/03/15/casarao-de-jose-rufino/.

Na galeria de fotos, um passeio pelo casario colorido: