Antes que Suma

Trecho da Bispo Cardoso Ayres reúne casas que merecem ser preservadas e apreciadas

Por Jota | 11 de setembro de 2017

As interseções entre os bairros da Boa Vista, Soledade e Santo Amaro, região central do Recife, reúnem casas de épocas distintas e marcantes no processo de ocupação residencial da cidade.

Entre desprezo, abandono, conversão em pontos comerciais, descaracterizações e algum zelo estes imóveis seguem sobrevivendo.

E alguns seguem guardando linhas e detalhes de beleza que só comprovam o quanto a arquitetura se pasteurizou e uniformizou construções.

Um trecho da Rua Bispo Cardoso Ayres, entre a Avenida Oliveira Lima e a Rua do Príncipe, o recifense tem diante de si exemplares de edificações que se encaixam na realidade descrita acima.

Pelo menos cinco casas resistem naquele pedaço. E, a despeito dos maus tratos e de passarem despercebidas por quem caminha ou dirige pela rua, permanecem inteiras e bonitas.

O bom observador vai encontrar pequenos “espetáculos” nas fachadas. Há adornos, desenhos, portões, janelas, pisos prontinhos para serem apreciados.

Quem é afeito a fotografar reentrâncias da cidade, tem à disposição quadros prontos que unem desenho sinuosos de árvores a belos ângulos das casas.

Na esquina com a Oliveira Lima estão dois sobrados geminados que abrigam estabelecimentos comerciais. Pintados um de verde e outro de amarelo fazem um contraste chamativo.

Com sacada no primeiro andar, contam com detalhes decorativos e janelas de “personalidade”.

As duas seguintes são típicas moradias de classe média da primeira metade do século XX. Tem pequenas varandas, colunas e adornos. O jardim completa o conjunto de “casa de família” conectada à rua.

A quinta apresenta características semelhantes, mas tem linhas bem mais simples. Nela funciona a sede de um partido político e um portão ferro trabalhado protege um pequeno terraço com piso hidráulico.

Explore à Rua Bispo Cardoso Ayres sem moderação. Ao lado das casas elencadas neste post há um conjunto de dois pequenos prédios com traços neocolonialistas.

Mais adiante há um painel de autoria dos arquitetos Régis Cavalcanti e Hélio Costa Lima, na parede lateral de um prédio comercial onde já funcionaram um supermercado e uma central de telemarketing. Veja:

Painel com elementos geométricos de concreto é esquecido na Boa Vista

Também na rua está o conjunto de casas puristas assinadas pelo arquiteto George Munier. Enfim, a rua tem acervo que merece ser tombado e preservado para o bem da memória do Recife.