Antes que Suma

Fachada de shopping guarda história da Teologia Libertação no Recife

Por Jota | 20 de outubro de 2016

A fachada dos fundos do Shopping Boa Vista, na Rua do Giriquiti, 48, no Bairro da Boa Vista, guarda parte da história do Recife.

A “carcaça”, ainda bonita, é o que restou da sede do Instituto Teológico do Recife (ITER), um prédio de arquitetura impressionante, onde sonhos de um mundo melhor foram gerados.

O ITER, foi criado por dom Hélder Câmara em 1968 e fechado em 1989 por decisão do Vaticano, no chamado desmonte da Teologia da Libertação. Alem dele, foi extinto o Seminário Regional do Nordeste II (SERENE II).

Durante 21 anos, o instituto foi responsável pela formação intelectual e teológica dos sacerdotes e leigos, enquanto o SERENE II, abrigava 103 seminaristas de dioceses de PE, AL, PB, RN e BA.

Antes de ser a casa do ITER, o prédio sediou o histórico Juvenato Dom Vital (o nome ainda está na fachada), ligado às lutas estudantis nos anos 60, onde, inclusive, o falecido padre Henrique fora professor de Sociologia.

A Teologia da Libertação tinha como filosofia e “cartilha” críticas e reflexões sobre as causas estruturais da pobreza, a injustiças sociais.

Na prática, igreja e pobres somavam esforços para alcançar mudanças sociais por meio de conscientização sobre direitos e cidadania. Fiéis eram “libertados” (e eram mesmo) por meio da politização e do estímulo ao questionamento.

O movimento surgiu depois de uma reunião de bispos latino-americanos em 1968 e se enraizava na crença de que as dificuldades dos pobres deveriam estar no centro da interpretação da Bíblia e da missão cristã.

Mas,com a Guerra Fria em vigor, alguns críticos denunciaram a Teologia da Libertação como marxista e seguiu-se uma reação conservadora (as informações são da Folha de São Paulo).

A reação foi liderada pela Santa Sé, tendo o Cardeal Joseph Ratzinger o seu principal agente. O cardeal, como se sabe, foi premiado e tornou-se o Papa Bento 16.