Antes que Suma

Artur Orlando, endereço de casas “geminadas” que merecem ser apreciadas e preservadas

Por Jota | 6 de abril de 2017

Quem gosta de apreciar – e fotografar – casas com personalidade e identidade muito próprias deve incluir a Rua Artur Orlando no roteiro de caminhadas ou passeios.

A via, cuja denominação lembra nomes de galãs de novela mexicana ou de cantores românticos do passado, tem poucos metros e fica entre as Ruas Dom Bosco e Miguel Couto, na Boa Vista.

Além de contar com construções charmosas, é uma “ilha” de alguma tranquilidade em comparação às vizinhas Avenidas Agamenon Magalhães e Carlos de Lima Cavalcanti, a Rua Henrique Dias e a já citada Dom Bosco.

As casas ficam apenas de um lado. Do outro, há edifícios residenciais. São nove casas. Curiosamente, seis delas compõem três “pares”.

Foram construídas de forma “geminada” e, originalmente, eram praticamente idênticas. As outras três têm o mesmo estilo, mas são separadas.

Uma das duplas é formada por sobrados de estilo germânico, com teto pontiagudo e “listras” e quadrados em alto relevo na fachada.

A outra “parelha” é composta também por casas de térreo e primeiro andar com linhas ecléticas e referências neocolonialistas. A terceira, do modo, reúne dois sobradinhos com ares de “casa de vila”.

Por sua vez as três unidades “independentes”  apresentam estilo moderno, com linhas retas, volumes e vãos formados por pisos suspensos por colunas.

Há fachadas decoradas com pedras e, numa delas, onde funciona um empresa, um painel de azulejo colocado na sala do primeiro andar chama a atenção.

Mesmo escondidas por muros e grades erguidos sem preocupação de manter alguma sintonia com os estilos, as casas estão, pelo menos aparentemente, em bom estado, ocupadas e funcionais.

Além da riqueza arquitetônica e da beleza das construções, a Artur Orlando e sombreada por oitizeiros e privilegiada com pouco movimento. Vale a pena conhecer.