Antes que Suma

Casa racionalista da Henrique Dias está “em obras”. Que seja recuperada e não “reformada”

Por Jota | 29 de março de 2017

A casa racionalista localizada na Rua Henrique Dias, 161, na Boa Vista, a poucos metros da Igreja das Fronteiras, está cercada de tapumes e já se pode ouvir de fora o barulho de pedreiros trabalhando no interior.

O imóvel, certamente erguido em meados do século passado, quando o Recife viveu um boom racionalista em decorrência da presença do italiano Mario Russo em Pernambuco, está sendo “mexido”.

Um contêiner-depósito de metralha já está colocado no terreno, entre os tapumes e o térreo. Ou seja, a casa está “em obras”.

Se é recuperação ou reforma (transformação/adaptação) não foi possível checar. Informações “não oficiais” dão conta de que a casa estaria sendo preparada para receber um hospital cardiológico.

O imóvel tem primeiro andar e, por décadas, abrigou empreendimento que comercializava produtos hospitalares, especificamente próteses e outros artefatos de uso ortopédico.

A construção tem colunas em V, paredes com linhas inclinadas, vãos, cobogós azulejados. Trata-se de um belo exemplar racionalista, certamente erguido como residência que ainda está bem preservado (pelo menos observando-se da rua).

Se de fato tiver sido “cooptado” por empreendimentos da área de saúde este terá sido mais um a engrossar a lista que inclui imóveis da Boa Vista, Paissandu, Derby, Madalena e Ilha do Leite.

O tal polo médico e seus muitos cifrões têm demolido muito e preservado pouco. Casas, casarões e sobrados dos bairros citados vem sendo há anos derrubados e/ou desfigurados para atender demandas de expansão dos negócios.

Clínicas, hospitais, consultórios, centros de exames e estacionamentos são responsáveis por uma considerável e triste “devastação” da memória do Recife.

O Antes que suma, que defende a ocupação como forma de preservação, torce para que a casa 161 da Henrique Dias seja recuperada e ajustada, mas sem perder suas linhas nem sua identidade.

Saiba mais AQUI sobre racionalismo e modernismo. E AQUI sobre Mario Russo.

A sugestão da pauta foi do leitor André Moraes.