Antes que Suma

Preservado, casarão integra conjunto de empresarial erguido no quintal

Por Jota | 8 de junho de 2018

Depois de quase uma década vazio e exposto à deterioração do tempo e do abandono, o casarão secular que por anos abrigou a casa de recepções Personnalité, na Avenida Conde da Boa Vista, voltará a ter funcionalidade.

Passa fazer parte do complexo do prédio empresarial que acaba de ser erguido no terreno que era o quintal. Em outras palavras, será ocupado por pequenos empreendimentos que terão a velha “Conde” como endereço.

Visto a partir da rua, o casarão, que é tombado, perdeu horizonte. O gigantismo do edifício apequenou o imóvel e deixou quase invisíveis as belas linhas art nouveau.

Mas, diante da derrubada indiscriminada de construções antigas com evidente valor arquitetônico – mesmo as protegidas por lei -, a sobrevivência do casarão merece ser destacada.

Localizado no trecho entre as ruas do Padre Inglês e Osvaldo Cruz, o casarão é exemplar do tempo em que moradias suntuosas predominavam na Conde da Boa Vista.

Naquela região ainda podem ser vistas as belezas de imóveis que sediam a Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb), a TV Pernambuco, o Laboratório da Mulher das Mercês Cunha e ainda o conjunto tombado de chalés do antigo Instituto de Psiquiatria Luiz Inácio (hoje vazios, deteriorados e também inseridos no patrimônio de arranha-céus construídos na Conde da Boa Vista).

O art nouveau do casarão da Personalitté é evidenciado nas colunas, na sinuosidade das incríveis escadas que ligam o jardim ao primeiro piso e na riqueza dos adornos de portas, janelas, corrimões e grades de ferro.

Ao longo do tempo em que esteve fechado à espera da conclusão do empresarial do quintal, o imóvel, que foi residência, sede de embaixada e de curso de informática (segundo a leitora Taty Cibelle), foi alvo de dois posts do Ante que suma (ainda restrito ao Facebook).

Em em ambos, a preocupação com o futuro da construção era evidenciada.

Em maio de 2015 (veja fotos da época, na galeria), escrevemos:

CASARÃO ONDE FUNCIONOU O PERSONNALITÉ (CONDE DA BOA VISTA) ESTARIA PRESTES A DESAPARECER

Esse casarão, um dos poucos que resistem na Avenida Conde da Boa Vista e onde por anos funcionou a casa de recepções Personaliteé, pode estar com os dias contados.

O imóvel, que é documento de um tempo em que arquitetura e obra de arte se confundiam (parece ser do início do século 20), estaria com o destino nas mãos da Justiça.

Trata-se de uma construção protegida por lei, mas, pelo que a vizinhança relata, está prestes a ser derrubado para abrir espaço a mais um prédio no trecho entre as Ruas Gonçalves Maia e do Padre Inglês, no centro da cidade.

Como pode ser visto na segunda foto (repare nos pilares de onde saem vergalhões) um edifício já está sendo erguido nos fundos da casa.

E, de acordo com quem trabalha em empresas no entorno da obra, a expectativa é que o casarão vire pó para abrir espaço a mais um arranha-céu. Há quem diga, porém, que o terreno da casa servirá de estacionamento.

Se alguém tiver mais informações sobre o tombamento e a possível preservação dessa beleza, por favor, publique aqui. Essa jóia não pode sumir assim

Em abril de 2016, reiteramos:

O casarão secular que por anos abrigou a casa de recepções Personalitté, na Avenida Conde da Boa Vista, está sendo danificado a cada dia.

Engolido pelo arranha-céu que se ergue logo atrás, o imóvel em estilo art noveau está abandonado e entregue às rachaduras e à deterioração de paredes, janelas, portas, escadas, pinturas. E olha que as fotos só mostram a fachada.

Pelo que contam trabalhadores e vizinhos, a casa é tombada e, só por isso, ainda está de pé. Se for o caso, os órgãos responsáveis por fiscalizar imóveis protegidos por lei precisam aparecer por lá e fazer uma inspeção urgentemente.

Há mais um ano, o casarão está escondido por portões imensos colocados diante da fachada pela construtora. A expectativa é que após o termino do edifício, a beleza do imóvel (recuperado, por favor) possa voltar a ser apreciada por quem passa.

Bom, dois anos após o último post, observa-se que o casarão sobreviveu. Ainda bem. Tomara que os novos ocupantes valorizem o fato de estarem instalados num imóvel sensacional e saibam explorar o charme e a beleza para incrementar seus negócios.