Antes que Suma

Sede do Incra é quase uma “ilha” de memória da Rosa e Silva

Por Jota | 17 de julho de 2018

Localizada numa das áreas mais atacada pela especulação imobiliária do Recife, a Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Pernambuco é quase uma ilha de resistência e memória do bairro dos Aflitos, Zona Norte da capital.

O imóvel, que acaba de ser recuperado e ganhar pintura nova, é exemplo vivo, ocupado e funcional dos sofisticados casarões residenciais que marcaram a história da avenida.

A construção, que possui características arquitetônicas associadas ao início do século 20, tem traços semelhantes ao casarão da esquina da Rosa e Silva com a Rua Amélia.

São três pisos com varandas, adornos, colunas, portais e janelas em arcos e tetos em diferentes águas. O terceiro piso, merece um destaque especial pelo “exagero” de beleza.

Trata-se de uma espécie de torre vazada, enfeitada por adornos e vazada nos quatro lados. Em cada uma das faces, há três pequenas aberturas em forma de arco, em ângulo bem fechado, e apoiadas por duas colunas. Impossível não gastar tempo admirando.

Tudo, absolutamente tudo, disposto em harmonia, resultando numa estética que agrada aos olhos de quem passa.

A nova cor, verde-menta, acentua a perfeição das linhas do casarão. Já os adornos foram mantidos em branco assegurando o contraste que confere ainda mais beleza do imóvel.

No site do Incra não há informações sobre a história da casa. De todo modo, vale o registro do evidente zelo do órgão pela construção.

Os Aflitos, região que vem a cada dia vem perdendo casas e memória, tem um casarão preservado e ocupado para chamar de exceção.

Reveja abaixo matérias que retratam as perdas do bairro dos Aflitos:

Adeus a uma das belezas da Avenida Santos Dumont

Mais uma casa prontinha para desaparecer e “modernizar” o Recife

Mais um casarão demolido na Avenida Rosa e Silva. Vem novo shopping por aí?

A sequência de fotos de número 14 até 18 registra o casarão em 2015.  A última imagem retrata o casarão no início do século passado.

É do acervo da página Recife de Antigamente e foi enviada pelo leitor Túlio Couceiro. Originalmente da Revista da Cidade nº 105, a foto é de maio de 1928.

Na legenda, uma pista sobre o proprietário e o responsáveis pela construção. “Palacete de propriedade do casal J.J. de Mello, na Estrada dos Afflictos, Construcção da importante Empreza Constructora J. Brandão & Magalhães.