Antes que Suma

Adeus a uma das belezas da Avenida Santos Dumont

Por Jota | 25 de junho de 2018

O fato não deve ser novo. Mas a informação, pelo menos para o Antes que suma, é. Uma casa linda, de jardim florido e quintal amplo – mais uma – desapareceu no bairro dos Aflitos.

Ficava na Avenida Santos Dumont, no trecho entre as ruas Luís Rodolfo de Araújo e Carneiro Vilela, do lado direito de quem segue no sentido dos carros (para o Rosarinho).

Há dois anos, em 30 de junho de 2016, fizemos registro, no Facebook, da existência da casa e do risco que ela sofria numa região em que construções que uma dia foram residência desaparecem com frequência. Relembre:

“SOBREVIVENTE” DA SANTOS DUMONT SOB RISCO DE DESAPARECER

Restam poucas casas na Avenida Santos Dumont, entre as Graças e os Aflitos. Naquela área toda a ordem do mercado é fazer desaparecer casas e pequenos prédios e erguer espigões.

Esta da foto é “sobrevivente”, mas já foi colocada à venda. Tem varanda, jardim e quintal arborizado. A torcida é pra que seja ocupada e seja mantida como está.

Neste junho de 2018 constatamos que a casinha que tinha varanda em arco e era sombreada por árvores frondosas foi demolida.

O terreno, associado a lotes vizinhos que também perderam suas casas, está lá, vazio. Certamente virou reserva para a construção de novos espigões.

E o bairro dos Aflitos permanece no centro da devastação da memória arquitetônica e habitacional da Zona Norte do Recife. Praticamente em todas as ruas do bairro é possível observar os estragos.

Relembre abaixo publicações sobre as agressões desta área do Recife:

Mais uma casa prontinha para desaparecer e “modernizar” o Recife

Mais um casarão demolido na Avenida Rosa e Silva. Vem novo shopping por aí?

Reveja também posts que destacam o patrimônio que resiste no bairro dos Aflitos:

Casas (muito poucas) mostram “fôlego” e vão resistindo nos Aflitos

Nos Aflitos: o que será do lindo casarão da Rua Dr. José Maria?

Exemplar racionalista mantido intacto na Carneiro Vilela

Três casas, três relíquias de um tempo em que flores e quintais eram essenciais às moradias

Embora mal conservado, residencial modernista é preciosidade nos Aflitos

Carente de melhorias, Santa Eugênia é exemplar de um tempo em que prédios-moradia dialogavam com a cidade